Skip to content

Não seja babaca!

Situação I

– Se eu fosse mulher eu daria pra todo mundo!
– Orra, que legal que tu pensa assim piá, e se sua irmã fizer isso?
– Pô minha irmã não né cara… Deixa ela fora disso!

Situação II

-Aaahh eu acho massa a mulher ser sexualmente ativa desde que ela dê pra mim…

-Ué, mas e se ela não quiser dar pra você?

-Ah daí  ela é piranha né.

 Situação III

-Amor, pra quantos caras você já deu antes de mim?
-*GASP* Como é que é? Por que você quer saber disso?
-Porque você transa demais, queria saber como você aprendeu a ser assim… Meninas normais não manjam dessas putarias todas aí não…

Esses 3 diálogos aconteceram comigo, mas eu aposto que 1 ou 2 em 100 gurias que lerem esse texto vão se identificar ou lembrar de algo parecido…Infelizmente a maioria dos homens e meninos que conhecemos, vivem com esse machismo incubado, velado, onde toda e qualquer coisa que a mulher faça referente ao sexo casual garante o selo “vadia”, “piranha” ou “puta”, pelo simples fato de querer ter uma foda ocasional.

Mulher não vira puta porque te deu um fora, lembre-se que pra cada menina que você chama de piranha porque não quis te dar ou ficar contigo, +10 pontos na escala babaca você ganha, ou seja, evite julgar ou difamar, porque não vai pegar bem se a situação se inverter e as pessoas souberem que além de fofoqueiro você tem o pau pequeno (mesmo que não tenha) e trepa mal pelo excesso de punheta e falta de sexo né…

Existe gente que escolhe namorada perguntando pra quantos ela deu, pra vocês que fazem isso meus queridos aqui vai uma informação: vagina não gasta com uso… O princípio de vocês do “Lavou tá novo” também vale para nós (claro que falamos aqui de relações seguras e higiênicas)

Por favor não sejam assim, respeitem o passado de quem você escolheu, para que o seu seja respeitado também. Se a moça quisesse saber do passado ela se manteria na situação que estava antes de te conhecer.

Se disserem coisas sobre ela, (“ohh que essa é boa de cama hein”, “boca de veludo”), fique feliz, porque possivelmente quem espalha essas coisas sobre ela, são caras que queriam o que ela não deu ou meninas que falam mal de qualquer outra mulher, e você terá tudo isso com amor e vontade.

O respeito pela sexualidade do(a) parceiro(a) é algo tão fundamental e necessário, cria um laço bonito de intimidade e cumplicidade, deixa de ser um relacionamento temperado de cobranças e passa a ser uma coisa mais suave de viver.

Colunista de hoje:

Jacqueline, fisioterapeuta, 2/5 engenheira, 25 anos paradoxais entre a emoção e a lógica em guerras eternas dentro do peito. Puramente incompatível com algumas regras sociais, conceitos inúteis e tabus bizarros… A favor do caos enquanto ele ajuda a evoluir… Tive um blog um dia, hoje eu só dissipo verdades e gero polêmica no twitter. (@nerdeliciouss). Tecnologia, games, música (minha guitarra), livros, séries, cinema e tatuagens = Minhas paixões. Não se engane pela minha cara de boazinha, nem sempre escreverei o que você quer ler, mas talvez seja o que você precisa. =)

Be First to Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.