Skip to content

Manual do término de um relacionamento!

Como sagitariana exagerada que sou, adianto que o título deste post é também exagerado. Mas é só para enfatizar que quem realmente quer sair de um relacionamento e não consegue, precisa ter realmente atitudes disciplinadas, quase como o passo a passo de um manual de qualquer coisa.

Como assim? Então, serei mais específica. Quantos de nós não sofremos mais para terminar um namoro/casamento do que se tivéssemos levado um pé na bunda? Claro que existem situações e situações, mas, na maioria das vezes, eu prefiro lidar com meu próprio sentimento de “derrota”, “perda”, orgulho ferido e aprender a sanar mais uma dorzinha de cotovelo. Sei que dor de amor parece que JAMAIS passará e que você jura que aquela foi a última vez que você se entregou. MENTIRA das grandes, mas é um sentimento/ pensamento necessário para sair da fossa.

Fim de namoro

Voltando ao foco da “conversa” aqui, há casos em que a gente NÃO AGUENTA MAIS passar um dia sequer ao lado do amado, que no caso, não é mais amado há séculos e você insiste em estar com a pessoa não sei por que cargas d’água.

Aliás, sei sim. Falando da situação em que não se gosta mais do parceiro, continua-se por:

1 – pena;

2 – costume;

3 – medo de ficar só;

4 – medo de ver com outra pessoa = posse.

Eu diria que esse é um caso até mais “fácil” de se resolver, mas tem que seguir certos passos importantes para que o desmame seja bem feito e completo.

O segundo caso é quando você TEM que terminar por motivos extraordinários, mas ainda ama o meliante. Pode ser por algum tipo de violência sofrida, física ou moral, pode ser por não conseguir perdoar uma traição, enfim, coisas que tornem você uma pessoa sofrida e que colocando na balança, não vale mais a pena continuar.

Vou me ater ao primeiro caso, em outro post posso abordar este último.

Tenho alguns amigos e amigas que se mostram EXTREMAMENTE angustiados por não conseguirem dar o passo do término… Mas também começam as traições, as brigas a cada minuto, agressões, o respeito vai pro brejo, passam mais tempo “se odiando” do que se amando. POR QUE continuam, então?

Mentiras-do-fim-da-relação

Will Tirando

A decisão de não viver mais com aquela pessoa já está tomada, basta saber como ir adiante e manter a palavra. Pense comigo: qual o objetivo desta nossa curta vida na Terra? Resposta clichê, mas é a verdade: SERMOS FELIZES, correto?

Então, por que insistir em algo que está fazendo perder tempo, ser infeliz e criar câncer por causa da angústia acumulada?

Esse é o primeiro pensamento. O segundo: OLHE ao seu redor e veja quantas pessoas legais e interessantes existem. Já pula a parte do medo de FICAR SÓ.

Durante alguns dias, você deve focar nisso. Depois desse período você provavelmente se sentirá encorajado (a) a ter uma conversa e por fim ao caos. Pronto, muito choro, culpa por ver a pessoa sofrendo (se esse for o caso), etc. É difícil? É, mas tenha foco.

Voltou pra casa, bateu o desespero! “E AGORA, MEU DEUS? O QUE SERÁ DE MIM?” Eu respondo: uma pessoa leve, livre, que agora pode guiar seu próprio caminho.

A rotina com a pessoa, o costume, as boas lembranças de tempos que EXISTIRAM entre vocês surgirão na mente… Aí bate o que? A saudade, que é diferente de sentir falta. Já escrevi algo sobre isso, depois coloco aqui para vocês.

O problema está aí. Você não quer mais a pessoa, mas sente falta de momentos de felicidade e conforto que, POR ACASO, aconteceram na companhia daquela pessoa, então você associa, erradamente, a ideia de alegria ao seu ex.

Nesse momento é que se deve lembrar fortemente dos motivos que fizeram você terminar ou de como se sentia semanas antes de ter tomado a decisão.

Por fim, procure amigos, pessoas que façam você se sentir bem, viaje, conheça pessoas novas, evite contatos com o ex, com a família do ex, cachorro, gato e papagaio. Essa história de que família alheia prende, é mais uma desculpa.

Para fazer bem a alguém, você tem que estar bem consigo mesmo e feliz. Se essas pessoas que você diz gostarem tanto de você realmente sentem isso, entenderão seu afastamento e devem respeitar esse momento.

Ter pulso forte, não se fazer de vítima e esperar uma solução cair do céu são pontos importantes para mudanças em nossas vidas, não só para relacionamentos.

Bom, no mais, é isso. Espero ter dado um empurrãozinho em alguém que estava sem coragem de tomar a decisão de ser feliz. Beijos e até a próxima.

9 Comments

  1. kelly kelly

    Ameei…
    tbém estou passando por isso, soh que no meu caso não foi eu quem termineei e eu jamais eperaria isso dele..
    esntãao mee abalo DEMAIS nuu .. mto meesmo, fiquei muito mal, sóh consigo lembrar das coisa boas dos momentos bons.. e sempre acho que vou ficar sozinha.
    O pior é que eu estudo com ele e tenho que ver ele todos os dias.. ja sei que ele desencanou mais mesmo assim tenho esperaça porque afinal é a ultima que morre, infelismente, mas queria esquece-lo e começar a uma nova vida mais nãao ta sendo nada FACIL .
    obg pelas dicas!

  2. Pois é! Vim reler o post!
    Hoje a namorada mora a 330 km de mim e perguntou pelo bate-papo do Gmail: Se quiser, terminamos…
    Lembrei desse post instantaneamente!
    Mas enfim, já são 3 anos namorando à distância por força do trabalho, mas acreditamos que ainda estamos juntos por conta da “zona de conforto”, como você mesma disse no item 2: Costume.
    A seguir: cenas dos próximos capítulos!

  3. caroline caroline

    Ola… Menina, vc parece ter adivinhado meu momento… incrivel….to passando por isso…quem sabe agora eu nao tomo coragem e faço o que deve ser feito.. brigada! bjus e agora vc tem mais uma leitora assidua!

  4. Não acredito em PREVISÕES, mas em características, sim!

    Não só eu, como milhões de pessoas no mundo todo.

    =)

  5. Hemanuel Hemanuel

    O post estava bom mais, voce acredita em signos?? Qual é? Sinceramente isso é besteira, minha tem duas irmãs que eram gemeas, nasceram na mesma hora e com os astros no mesmo lugar mas uma morreu com um mês de vida e a outra está viva até hoje, e com quse 70 anos!!

  6. Obrigada, Rodrigo e Zé!

    E falando sobre o primeiro comentário, realmente esse é o grande problema que enfrentamos para conseguirmos acabar…

    A pessoa pode ter todos os defeitos do mundo, os quais você não suporta mais, mas quando acaba, você insiste em lamentar por ter perdido as coisas boas!

    Só temos que lembrar que as coisas BOAS ficaram num passado distante, né?

    Enfim, beijos e até mais!

  7. Zé

    Excelente o artigo e, ao menos pra mim, muito eslarecedor, já que passo exatamente por este momento. Hoje consigo entender melhor toda a situação e seguir em frente. Parabéns e obrigado.

  8. Adorei seu comentário Rodrigo =)

  9. Gostei. Finalmente tomei coragem pra comentar, porque seu blog tem tantos assuntos emocionativos que ao comentar, acabamos escrevendo sob emoção, o que muitas vezes não é nossa personalidade real.
    Focando: tudo que “ainda gostamos”, nos faz listar as qualidades. Já o que “não queremos mais”, costumamos listar os defeitos. Eu, por exemplo, não gosto de cerveja, então só me lembro dos defeitos dela, mas quando apreciava, lembrava das qualidades, assim funciona nosso cognitivo, penso eu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.