Skip to content

É preciso admirar?

Ela é inteligente, esperta, comprometida com o que faz, tem bom gosto para música, filmes e livros. Gosta de culinária, de fazer as contas para ver se o dinheiro vai sobrar no fim do mês. Se veste bem, está sempre perfumada, é carinhosa, ama as crianças e os animais, respeita os pais, é independente tanto emocional quanto financeiramente, gosta tanto de sexo quanto de fazer amor. Faz as coisas certas mas não dispensa o proibido, quer viajar uma ou duas vezes por ano pra bem longe de casa e quer se aventurar. Tem uma tatuagem discreta e gosta de se exercitar, o que a deixa com uma bela silhueta, sem exageros. Resumindo, ela é alguém muito interessante que eu sonhei ontem, anteontem e provavelmente vou sonhar amanhã.

Muito provavelmente não cruzarei com ela pela rua, mas se isso acontecer, dificilmente trocaremos uma palavra entre nós. Caso nos falemos, será sobre a mudança brusca do tempo ou sobre a demora do ônibus que não chega de jeito algum. Se ela resolver sentar ao meu lado ou falar sobre coisas mais pessoas seja sobre o trabalho ou como o primo perdeu a carteira na Operação da Lei Seca que toma conta do Rio de Janeiro nas noites do fim de semana, aposto que não trocaremos telefones ou endereços eletrônicos. Se “rolar” essa troca de contatos, será que eu ligo? Será que espero ela ligar? Tá bom, tá bom. Do jeito que as idéias surgem, vou acabar casando com ela e tendo vários filhos.

(Ninguém é perfeito – via Um sábado qualquer )

A objetivo é mostrar como idealizamos a pessoa que queremos para nós, mesmo acreditando em como é muito pouco provável que um dia a encontremos. A questão hoje,  é que a maioria das pessoas está com os olhos embaçados, procurando alguém que não existe. Uma pessoa isenta de defeitos e que tenha todos aqueles atributos que a TV disse serem importantes. Muitos já desistiram, após algumas desilusões, e resolveram só focar a vida profissional e em se divertirem do jeito que podem. Porém, o caso mais grave são daqueles que já encontraram a pessoa ideal e não sabem, por isso fazem pouco caso da preciosidade que têm em mãos. O triste aqui é só perceberem o erro algum tempo depois de haverem perdido a pessoa, porque a mesma preferiu sair daquele relacionamento onde já não recebia o valor merecido. Do outro lado da moeda porém, a maioria dos apaixonados acha que já encontrou o amor da sua vida, quando, na verdade aquele “amor” está muito longe da figura que um dia ele(a) idealizou. Mas isso é o de menos, contanto que se esteja feliz.

A essa altura do texto, entramos no “defeito” de um grande número de sonhadores. A palavra está entre aspas porque, como me encontro neste grupo, prefiro não considerar literalmente o seu significado. Além disso, não descobri se isso chega a ser um defeito. No fim das contas, acho que não haverá muita desinteligência permeando este assunto. A palavra-chave é admiração.

O que se faz quando se está com alguém, está curtindo o momento, ficando com ela direto, tudo “rola” numa frequência boa entre os dois, começam a namorar, fazem vários planos mas, de repente, por qualquer motivo que seja, você perde toda a sua admiração pela pessoa? Qual o passo seguinte, quando a perda da admiração se sobrepõe a todo o resto?

Não acredito que a solução seria partir pra outra. Não faria muito sentido, afinal não se namora apenas alguém que se admira (Ou sim?). Então você se faz a mesma pergunta que se costuma fazer quando alguém lhe diz que está namorando: “Ah, que legal! E como ela é?”. Para os homens existem dois tipos de resposta. Qual dessas você quer usar?

A) “- Cara, ela é muito gostosa, gata mesmo. Peito maneiro, perna definida, sem barriga. A danada tem carro, cheia da grana, e manda bem. Você sabe…”

B) “- Tu tem que ver, brother. Muito gatinha, meiga, inteligente. Tá se formando agora e fazendo estágio numa empresa maneira. Deve ser contratada. Me dá a maior moral. Já conheço os pais dela. Gente fina, e curte muita parada que eu gosto. Enfim…”

Para as mulheres, prefiro acreditar que as respostas só sejam parecidas com a opção B. Mas também duvido muito. Então… até onde vale à pena um relacionamento onde o item admiração é algo escasso?

_____________________________________________

Texto enviado pelo leitor (e amigo) Vinícius @vinimendonca

3 Comments

  1. Andreia Andreia

    Hum me vi nesses questionamentos; o que me entristece é que as pessoas se preocupam de mais em “ter” para outro do que em “ser”, e acabam mostrando um tipo de perfil q pouco tem a ver com sua realidade se esquecem de suas reais condições, e pouco fazem para mudar a situação e num momento tipo “ficha caiu :(” …puts se foi a admiração.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.