Dicas para adestrar pessoas


Li na Revista Superinteressante, a matéria: Como adestrar pessoas“Convencer alguém a fazer tudo que você quer não requer talento nem má-fé, é pura ciência. Há décadas, psicólogos  e publicitários estudam o que há por trás de pessoas persuasivas, e o resultado são dicas práticas e simples, que qualquer um pode seguir…”


A revista divide em ‘categorias’ e aqui vou colocar a de “Como seduzir” (com meus pitacos em vermelho).

Para os homens

  • Pavão: Vista uma roupa chamativa. Se você for baixinho, use um chapéu ou sapatos de sola grossa. Mulheres preferem os altos; (imagina a cena: Um cara baixinho com uma roupa de cor chamativa, de chapéu e com um sapato de sola grossa…Conseguiu imaginar? Agora pare de rir!!!)
  • Papinho: Escolha uma mulher numa roda. Puxe papo com frases curiosas, como “Vocês viram a briga lá fora?” ou “Tenho um amigo que foi traído. Ele deve perdoá-la?” (Se alguém usar essa dica e der certo comenta aqui…Hilário)

Leia Mais…

  • Dê um gelo: Psicólogos provaram que pessoas odeiam sentir que estão sendo persuadidas. Por isso, não demonstre interesse no seu alvo. Faça elogios esquisitos: “Suas mãos são lindas, mas um pouco masculinas” ou “Que saia bonita. Acabei de ver uma mulher com uma igual”. Ela não vai entender nada. “Pessoas incassíveis são diabolicamente sedutoras; queremos ser aquele que vai derrubá-las”, escreve o autor americano Robert Greene no livro A Arte da Sedução (só tome cuidado para não se tornar alguém que busca sempre o inacessível e que ao ‘adquirir’ o que deseja perde totalmente o interesse)
  • Vá passear: Por último, o bote. Quando ela menos esperar, chame-a de lado para conversar. Feliz com a atenção, ela não vai recusar. (O lance de atenção é algo interessante. Tática que pode dar certo quando a pessoa nem imagina que é apenas uma tática e não atenção verdadeira).

Para mulheres:

  • Olhar 43:”Quando uma mulher está interessada, bastam 02 olhadas para o mesmo rapaz para ele saber que tem chance”, diz Kevin Hogan, escritor americano, especialista em persuação. O melhor é frequentar lugares escuros: cientistas provaram que homens se sentem atraídos por pupilas bem grandes (eu fiquei aqui imaginando os métodos utilizados nesta pesquisa…Hummm!)
  • Chame na chincha: Se a vítima não puxar assunto, faça você o primeiro contato. Use a mesma tática dos homens. (Se perguntarem para Anamara/Maroca ela dirá se essa tática é boa ou não).
  • Surpreenda o alvo: Deixe o seu alvo intrigado com sua conversa misteriosa. Se você faz o tipo intelectual, conte uma piada suja. Se fizer o tipo bonequinha, mostre que há um lado cruel em você. Ele não vai resistir. (Hum, essa achei interessante)

No fim da matéria, a revista aborda: “Como adestrar sua cara-metade”:

“De acordo com a escritora americana Amy Sutherland, namorados (as) são como como animais (na verdade, nós SOMOS animais). A regra é clara: recompense tudo que seu parceiro fez de legal e ignore as partes irritantes. Seu marido costura os outros carros no trânsito e ainda xinga os motoristas? Ignore-o. Não brigue, não fique magoada, não faça joguinhos. De preferência, não mexa um só músculo. Sua namorada aprendeu que não vale a pena começar uma discussão tarde da noite? Então a recompense, diga “muito obrigado” e sorria de leve. Essa tática serve para ensinar um babuíno a andar de skate – e ensinou o marido de Amy a não deixar roupa suada em cima do tapete”.

Dicas:

  • A recompensa tem de ser proporcional à ação. Não se derrame em beijos e elogios se ele só levou o lixo pra fora.
  • A recompensa tem de ser imediata. Se chegar atrasada, seu parceiro não vai entender o elogio;
  • Se a intenção foi boa, mas o resultado não, ignore a tentativa. Sua namorada diz que vai parar de fumar? Então ela só merece elogios quando nunca mais fumar.

Tem um fórum no site da Super, veja um dos comentários que tem por lá:

Filipe Sacramento, Camaçari – BA,

As táticas podem até ser boas, se vistas a “grosso modo”. Só existe um problema: O resultado é GERALMENTE satisfatório, mas nem sempre. Essas táticas foram criadas a apartir da observação do comportamento humano. E, por isso, são falhas, pois nós, somos um tanto quanto imprevisíveis. Queria mesmo era poder me adestrar!”

PS: Anteriormente comentei aqui o texto sobre os rótulos que nos cercam. Acham que estas dicas são apenas  rótulos ou é ciência mesmo?