Skip to content

Dormir melhor após a menopausa: como as mulheres têm sido atingidas pela apnéia do sono

Dormir bem, ter uma noite de sono completa, tem sido uma demanda cada vez maior das pessoas em um mundo estressante e corrido. Porém, um grande inimigo dessa noite plena de descanso tem nome: apnéia do sono, um distúrbio que faz com que nossa passagem de ar fique obstruída por diversas vezes durante o sono, piorando e muito a qualidade do mesmo. E o pior: as mulheres podem estar sendo cada vez mais afetadas, principalmente aquelas que já passaram pela menopausa.

Uma pesquisa do Departamento de Psicobiologia da Escola Paulista de Medicina (EPM/Unifesp) – Campus São Paulo constatou que mudanças no corpo das mulheres na menopausa e aumento do volume corporal podem estar causando a apnéia, que está diretamente relacionada à obesidade de homens e mulheres.

Nesse estudo, 1.056 pessoas de ambos os sexos foram examinadas, e 40% dos homens tinham apnéia, contra 26,1% de mulheres. Porém, dessas mulheres, quase 70% das que tinham o tipo mais grave do distúrbio (68,4% dos casos) vivenciavam a pós-menopausa.

Esses sintomas podem vir, segundo o estudo, em decorrência de uma oscilação hormonal, mudanças no corpo e no sono, entre outras situações. O problema, dizem os especialistas, é que a apnéia traz problemas graves à saúde como risco cardiovascular e incidência de distúrbios respiratórios do sono.

Porém, existem tratamentos eficazes que já estão surtindo efeito, como os CPAP’s (Continuous Positivo Airway Pressure, que significa pressão positiva contínua das vias aéreas), que são aparelhos que fornecem pressão de ar através de uma máscara nasal, desobstruindo a via aérea responsável pela passagem de ar, garantindo uma noite de sono mais tranquila. O aparelho CPAP também é utilizado no tratamento contra o ronco.

 

Be First to Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.